Leilão tem MEZ Energia como grande vencedora – Valor

Cumprindo com as expectativas do mercado, o leilão de linhas de transmissão de energia realizado ontem atraiu um grande número de participantes – 51 grupos, de perfis distintos -, e resultou em elevado deságio médio sobre a receita anual permitida (RAP) máxima dos empreendimentos. O indicador alcançou 55,24%, o terceiro maior da história dos certames do tipo organizados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A grande surpresa foi a forte participação da MEZ Energia, empresa novata que venceu cinco dos onze lotes ofertados. Relativamente desconhecida no setor elétrico, a MEZ tem por trás nomes de peso na construção civil: Marcos e Maurício Zarzur, filho e neto, respectivamente, do fundador da incorporadora EZTec, Ernesto Zarzur. Sediada em São Paulo, a MEZ foi fundada no ano passado, depois de ter conquistado em leilão da Aneel seu primeiro lote de transmissão, na Bahia. De lá para cá, a companhia acrescentou ao portfólio mais três projetos, em Goiás e Rio Grande do Sul, por meio de aquisições no mercado secundário. Agora, soma mais cinco empreendimentos, distribuídos no Mato Grosso do Sul, São Paulo e Rio Grande do Sul. “Esse leilão vai dar a escala que pensávamos para a empresa num planejamento de médio e longo prazo”, afirmou ao Valor Maurício Zarzur, CEO e fundador da companhia ao lado do pai.

Com os novos ativos, o volume de investimentos regulatórios na carteira da MEZ passa de R$ 715 milhões para R$ 3 bilhões. Para fazer frente a esse montante, a companhia avalia diferentes fontes de financiamento. “Temos algumas opções, uma delas é o BNDES, já estamos em fase de enquadramento junto ao banco. Ou o mercado de capitais, onde vemos hoje grande procura por debêntures incentivadas.”

Segundo o executivo, a empresa está se preparando há algum tempo para um ciclo de crescimento. Enquanto estudava os lotes que seriam oferecidos no leilão, iniciou a implantação de um centro de operações para otimizar a gestão dos ativos. Também aumentou a equipe para 75 pessoas e, com a concretização dos novos negócios, vê espaço para chegar a 125 funcionários. No futuro, a intenção é ingressar nos segmentos de geração de energia renovável e comercialização. Esses braços já estão em desenvolvimento internamente na companhia, mas, por ora, o foco está nos empreendimentos de transmissão. “Com os novos projetos adquiridos, temos um caminhão de trabalho pela frente”.

A MEZ não é a primeira empreitada dos Zarzur no setor elétrico. A trajetória deles começou alguns anos antes, com a Arteon Z. Criada em 2017, a Arteon foi a “porta de entrada” da família no segmento de transmissão, visto como o mais seguro e estável dentro do universo de energia. “Naquela época, enxergamos uma oportunidade de ingressar num novo setor e diversificar nosso portfólio de investimentos”, conta Maurício.

A MEZ é inteiramente controlada por Marcos e Maurício, mas a estratégia utilizada no leilão permitirá que a família fundadora da EZTec tenha participação nos ativos. A companhia compôs consórcios, nomeados “Saint Nicholas”, com a holding e um fundo de investimentos próprio. “As SPEs [empresas criadas para os projetos] terão como sócio minoritário o FIP MEZ, que terá investidores da família EZTec e outros que convidamos para participar”, explica o CEO.

LEIA A MATÉRIA NA ÍNTEGRA